‘UóHol’, mostra individual do paraense Rafael BQueer, chega ao MAR em 11 de janeiro

De Instituto Odeon em 7 de janeiro de 2020


Abrindo a agenda expositiva de 2020, o Museu de Arte do Rio – MAR, sob a gestão do Instituto Odeon, apresenta ao público a partir de 11 de janeiro “UóHol”, mostra individual do paraense Rafael BQueer com curadoria da Equipe MAR. Interessado em questões que perpassam o corpo e as discussões de decolonialidade, gênero e sexualidade, o jovem artista, vencedor do Prêmio FOCO ArtRio 2019, transita entre linguagens como a performance, o vídeo e a fotografia, além de atuar em pesquisas como drag queen, adotando a persona Uhura BQueer.

A exposição joga com o sobrenome do artista pop norte-americano Andy Warhol (1928-1987) e o termo “Uó” – gíria queer e popular para designar algo ou alguém irritante ou de mau gosto. Entre as obras selecionadas para a exposição estão trabalhos de uma série homônima elaborada em 2019, parte da Coleção MAR, que homenageia ícones negros da cultura LGBTQI+ brasileira, como Jorge Lafond, Marcia Pantera, Madame Satã e Leona Vingativa, partindo do repertório visual da pop art. 

“BQueer vem desenvolvendo um trabalho muito atento às questões relativas a gênero, racialidade e periferia. Com isso, aborda de modo renovado a categoria da performance nas artes visuais. Com a personagem Uhura, o artista tangencia o universo do carnaval em atuações nos desfiles das escolas de samba. Para o MAR, trazer a exposição ‘UóHol’ é manter a vocação da inclusão e da diversidade, agora, com ironia e conscientização”, observa o curador Marcelo Campos.

Os visitantes também terão acesso ao vídeo e imagens da ação performativa “Lenoir” (2017), na qual um conjunto de corpos negros ocupa o bairro do Leblon, conhecido por seu histórico elitista, evidenciando os conflitos de classe colocados no Rio de Janeiro. Junto ao vídeo, um grande lambe-lambe da série “Jogo do Bixo” (2016) apresenta a comunidade do Jacaré, ironizando a marginalização do corpo negro na cidade, que por vezes atrai a curiosidade de turistas estrangeiros que visitam as favelas cariocas como se desvelassem espécies exóticas.

No dia da abertura da mostra, que ficará em cartaz no espaço expositivo da Biblioteca MAR, será realizada uma Batalha de Close. A ação irá ocupar os pilotis do museu a partir das 16h com performances de artistas atuantes na cena queer do Rio de Janeiro. As apresentações, de cinco minutos cada, abordam temáticas pertinentes para a comunidade LGBTQI+, como política, gênero, sexualidade e arte contemporânea. Além do próprio Rafael BQueer, por meio de sua persona Uhura BQueer, participam da batalha Chameleon Drag, Gui Mauad, Irmãos Brasil, Miranda Lebrão, Organzza e Shenna Meneghel.

UÓHOL

Abertura da exposição: sábado, 11 de janeiro, às 10h – Biblioteca MAR

Batalha de Close: sábado, 11 de janeiro, das 16h às 17h – Pilotis

Visitação: terça a sábado, das 10h às 18h – Biblioteca MAR

Entrada gratuita