Theatro Municipal estreia opereta A Viúva Alegre com direção de Miguel Falabella e apresentações a R$ 20

De Instituto Odeon em 18 de outubro de 2019


A trama da opereta A Viúva Alegre tem três atos e se passa em Paris, em 1905. Foto Rafael Salvador

Montagem estreia no próximo dia 14, será encenada em português e fica em cartaz até o dia 24 de novembro; Ao todo serão 10 récitas, sendo que as apresentações aos domingos terão valor único de R$ 20 para todos os setores

A temporada lírica 2019 do Theatro Municipal de São Paulo se encerra com a divertidíssima opereta “A Viúva Alegre”, de Franz Lehár, e libreto original de Viktor Léon e Leo Stein, numa montagem inédita e exclusiva em português. Miguel Falabella, um dos diretores mais populares e ecléticos do Brasil, assina a tradução, versão e direção cênica. A produção tem o maior número de récitas do ano, ao todo são 10, sendo a estreia no dia 14 de novembro, às 20h. As apresentações seguem até o dia 24, sendo de terça a sábado, sempre às 20h, e aos domingos, às 18h. Os ingressos custam de R$ 20,00 a R$ 120,00 e podem ser adquiridos a partir de 18 de outubro, pela internet, no site theatromunicipal.org.br, ou na bilheteria do próprio Theatro. Especialmente para as récitas de 17 e 24 de novembro (domingos), o ingresso terá preço único de R$ 20,00 para todos os setores e a venda será exclusiva na bilheteria do Theatro, a partir das 12h no dia do espetáculo – e a apresentação do dia 24 ainda terá recurso de audiodescrição.

O convite a Miguel Falabella partiu do diretor artístico do Theatro Municipal de São Paulo, Hugo Possolo, que ao trazer um grande nome da televisão e do teatro brasileiro para dirigir A Viúva Alegre quer aproximar novos públicos do gênero ópera, reforçando a missão do municipal como um bem cultural acessível e democrático. “A visão dele em imprimir novos públicos ao Municipal tem muita sincronia com o nosso pensamento de trazer uma obra de alcance popular. O nome ‘Falabella’ pode gerar um interesse naqueles que não conhecem o Theatro em frequentar a casa. Sem contar que A Viúva Alegre é uma história que tem uma música de alta qualidade, muito divertida, será realizada em português e isso já possibilita um diálogo maior”, ressalta Possolo.

A grande estreia de Miguel Falabella no Theatro Municipal de São Paulo será como diretor. Esta também é a primeira opereta/ópera da sua carreira. Ele que é um artista de renome, eclético em suas facetas como ator, diretor, dramaturgo, cineasta, dublador e uma das personalidades brasileiras mais conhecidas do teatro e da televisão, também é um fã de ópera e já assistiu a diversas produções em suas viagens para o exterior. “Meu avô era italiano e antes de falar, eu já ouvia ópera. Cresci ouvindo grandes nomes como Renata Tebaldi, Victoria de Los Angeles… O desejo de todos nós é ampliar a acessibilidade ao Theatro. Eu quero usar a minha imagem para popularizar e dizer venham! O Theatro é nosso. Estou profundamente emocionado por trabalhar com pessoas que tenho o maior respeito do mundo”, completa Falabella.

À frente da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo está o maestro assistente Alessandro Sangiorgi, que também assina a direção musical. “ A Viúva Alegre considerada a primeira e a mais popular entre todas as operetas, inclui todas as características que se possam desejar em uma obra deste gênero: vivacidade e elegância, situações cômicas e românticas, danças que na época estavam na moda, enfim, Lehar conseguiu uma operação musical impecável”, afirma.

O Coro Lírico Municipal de São Paulo será preparado pelo maestro titular Mário Zaccaro e pelo assistente Sergio Wernec. A cenografia é de Zezinho Santos e Turíbio Santos (Santos & Santos), figurinos de Lígia Rocha e Marco Pacheco. Desenho de luz de Guillermo Herrero, coreografia de Fernanda Chamma e visagismo de Dicko Lorenzo.

A montagem do Municipal tem dois elencos. No papel da viúva alegre e insinuante Hannah Glawari se revezam as sopranos Camila Titinger e Marianna Lima. Como o playboy aristocrata, Conde Danilo, estão Rodrigo Esteves e Daniel Germano. O ator e barítono Sandro Christopher e o baixo Saulo Javan interpretam o pomposo Barão Mirko Zeta. A soprano Lina Mendes, que também está em cartaz com o musical O Fantasma da Ópera, vai dar vida juntamente com Amanda Souza (soprano) a ingênua Valenciana, esposa do Barão Mirko Zeta. Os tenores Anibal Mancini e Luciano Botelho serão o jovem francês ardente Camillo (Conde de Rosillon) que é apaixonado por Valenciana. Ainda na produção, Adriano Tunes é NjégusJohnny França como Visconde de CascadaCaio Duran no papel de Raul de St. BriocheDavid Marcondes é BogdanowitschEdna D’Oliveira sendo SilviaMárcio Marangon vive o Kromow e Andreia Souza sobe ao palco como Olga.

A Viúva Alegre
A trama em três atos se passa em Paris, em 1905. O Barão Zeta, embaixador de Pontevedro – um pequeno reino fictício – oferece uma festa na embaixada para recepcionar Hannah Glawari, jovem, bela e rica viúva. O objetivo é evitar que ela se case com alguém que não seja do pequeno reino para manter a fortuna no próprio país, evitando a quebra das finanças locais.

No passado, a Viúva Alegre teve uma decepção amorosa com o Conde Danilo e acabou se casando com um milionário bem mais velho que veio a falecer. Em um plano arquitetado pelo próprio barão, o conde é convidado para a celebração, mas o antigo casal acaba se desentendendo.

Com a ajuda das esposas dos amigos do Barão – velhos militares e diplomatas pontevedrianos – os vários pretendentes da Viúva são desviados de seu foco. O objetivo é provocar a reconciliação de Hannah com o Conde Danilo, com a ajuda das “esposas exemplares” que flertam com os jovens num divertido jogo de sedução, deixando o caminho livre para o reencontro dos dois amantes que finalmente fazem as pazes.

Cenário Fovista
Todos os três atos da opereta A Viúva Alegre se passam em festas, sendo o primeiro uma celebração na embaixada de Pontevedro, o segundo no jardim da residência da viúva e o terceiro no salão de baile da mesma casa. O conceito criado por Miguel Falabella e os arquitetos Zezinho Santos e Turíbio Santos se baseiam no movimento cultural do fovismo que também surgiu no início do século 20, assim como a opereta, e também foram considerados “trabalhos menores”. A Viúva chegou a ser classificada como obscena em suas primeiras semanas e o fovismo, uma “arte boba”. Anos depois, a produção se torna um sucesso e atualmente ninguém mais descaracteriza os artistas fovistas.

“É um espetáculo popular, não é popularesco, é divertido, engraçado. Eu vou fazer uma viúva fovista, com uma paleta de cores que é uma explosão. A plateia vai ficar encantada porque realmente o impacto visual é muito grande. É uma noite divertida no Theatro”, afirma Falabella. O movimento fovista exaltou o colorido brutal em suas pinturas, usando exclusivamente as cores puras.

No cenário, o fovismo ganha destaque numa parede florida e extremamente colorida, com mais de 50 mil flores artificiais, que provocarão este deslumbramento e impacto no público, preenchendo o palco durante toda a opereta. “A parede florida é o elemento que une os três atos e optamos por poucos elementos cênicos que marquem onde os personagens estão, na embaixada, no jardim, no salão de baile da viúva”, explica Zezinho Santos que junto com Turíbio Santos realizam o primeiro trabalho para o Theatro Municipal de São Paulo.

Figurinos
Quem também faz sua estreia no Municipal é a figurinista Lígia Rocha que assina a criação das peças juntamente com Marco Pacheco. Também influenciada pelo fovismo, as roupas terão cores intensas e como a obra se passa no século 20 e em festas, as mulheres usarão vestidos com volumes na parte de trás que formarão até mesmo uma anca, decotes, uma cintura bem marcada, rendas, brilhos e tiaras. As mangas também serão destaque. Os homens estarão com trajes mais convencionais e realistas, em sua maioria na cor preta, e alguns adereços ganharão contornos fovistas como, por exemplo, uma medalha.

Em sua temporada 2019, o Theatro Municipal de São Paulo já realizou três óperas: O Barbeiro de Sevilha, Rigoletto e a contemporânea Prism. O público total foi de mais de 28 mil espectadores.

Dia Mundial da Ópera
O Theatro Municipal de São Paulo também celebra no próximo dia 25 de outubro o Dia Mundial da Ópera, primeira comemoração internacional a homenagear o gênero que surgiu há mais de 400 anos. A iniciativa é um esforço conjunto de importantes associações de apoio a companhias e festivais de ópera como a OPERA America, com sede nos EUA, a Opera Europa, que fica na Bélgica e a Ópera Latinamérica (OLA), com base no Chile e na qual o Theatro Municipal é membro. O Dia
Mundial da Ópera também conta com o apoio da UNESCO e do Instituto Internacional de Teatro (ITI). A escolha da data está ligada ao compositor francês Georges Bizet, que nasceu em 25 de outubro de 1838 e é autor de Carmen, uma das obras mais encenadas e conhecidas do repertório.

Serviço:

A Viúva Alegre no Theatro Municipal de São Paulo

Novembro | datas e horários das récitas

Quinta-feira, 14, às 20h
Sexta-feira, 15, às 20h
Sábado, 16, às 20h
Domingo, 17, às 18h – Récita a preço único R$ 20,00
Terça-feira, 19, às 20h
Quarta-feira, 20, às 20h
Quinta-feira, 21, às 20h
Sexta-feira, 22, às 20h
Sábado, 23, às 20h
Domingo, 24, às 18h – Récita com audiodescrição e a preço único de R$ 20,00
Local: Sala de Espetáculos, Theatro Municipal de São Paulo
Endereço: Praça Ramos de Azevedo, s/no
Ingressos: R$ 20 | R$ 80 | R$ 120 – para as récitas dos dias 17 e 24 os ingressos serão comercializados a preço único de R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), para todos os setores, e a venda será exclusiva na bilheteria do Theatro, a partir das 12h no dia do espetáculo.
Vendas: pelo site theatromunicipal.org.br ou na bilheteria do Theatro Municipal.
Horário de funcionamento da bilheteria: de segunda a sexta-feira, das 10h às 19h, e sábados e domingos, das 10h às 17h.
Formas de pagamento: Dinheiro e Cartões de Débito e Crédito
Duração aproximada: 2h e 30 minutos
Classificação indicativa: livre
Capacidade: 1500 lugares
Acessibilidade: Sim

Ficha técnica A Viúva Alegre
Franz Lehár
Libreto original: Viktor Léon e Leo Stein
Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo
Coro Lírico Municipal de São Paulo
Alessandro Sangiorgi – direção musical e regência
Miguel Falabella – tradução, versão e direção cênica
Santos & Santos – cenografia
Lígia Rocha & Marco Pacheco – figurinos
Guillermo Herrero – desenho de luz
Dicko Lorenzo – visagismo
Fernanda Chamma – coreografia

Elenco:
Hannah Glawari – Camila Titinger (14, 16, 19, 21, 23)
Marianna Lima (15, 17, 20, 22, 24)

Conde Danilo – Rodrigo Esteves (14, 16, 19, 21, 23)
Daniel Germano (15, 17, 20, 22, 24)

Barão Zeta – Sandro Christopher (14, 16, 19, 21, 23)
Saulo Javan (15, 17, 20, 22, 24)

Valenciana – Lina Mendes (14, 15, 19, 21, 23)
Amanda Souza (16, 17, 20, 22, 24)

Camilo de Rossillion – Anibal Mancini (14, 16, 19, 21, 23)
Luciano Botelho (15, 17, 20, 22, 24)

Njégus – Adriano Tunes (ator)

Visconde Cascada – Jonnhy França (barítono)

Raul de St. Brioche – Caio Duran (tenor)

Bogdanowitsch – David Marcondes (barítono)

Silvia – Edna D’Oliveira (soprano)

Kromow – Marcio Marangon (barítono)

Olga – Andreia Souza (mezzo soprano)

Grisetes (bailarinas):
Lolo – Mari Saraiva
Dodo – ‘Hellen de Castro
Jou-Jou – Carol Isolani
Frou-Frou – Nay Fernandes
Clo-Clo – Luana Zehnun
Margot – Vanessa Costa

Bailarinos:
André Gomes
André Luiz Odin
Daniel Caldini
Davi Tostes
Rodolfo Saraiva
Ygor Zago

Municipal no Rolê promove apresentações do Balé da Cidade e da Orquestra Sinfônica Municipal pela capital paulista

De Instituto Odeon em 17 de outubro de 2019


‘Deranged’, Balé da Cidade | Foto: Fabiana Stig

Primeira temporada do projeto leva os corpos artísticos do Theatro Municipal a diferentes espaços culturais da cidade de São Paulo para apresentações gratuitas ou a preço popular de R$ 10; Os teatros Flávio Império, João Caetano e Cacilda Becker, mais o Centro Cultural São Paulo e o Auditório Ibirapuera recebem programas de balé e de música clássica até novembro

O Theatro Municipal de São Paulo, sob a direção artística de Hugo Possolo, está aberto às novas linguagens, com uma programação que busca alcançar um público cada vez mais diverso. Em conjunto com essas ações, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura promove a circulação dos corpos artísticos ligados ao espaço centenário para apresentações com ingressos gratuitos ou a R$10.

A iniciativa estreou no início deste mês e até novembro serão mais oito apresentações, sendo seis do Balé da Cidade de São Paulo – que acaba de lançar um livro e um documentário sobre os 50 anos da companhia – e duas da Orquestra Sinfônica Municipal. Pelo Municipal no Rolê, os grupos interpretam coreografias e obras sinfônicas em espaços culturais da região central e de bairros afastados, como o Teatro Flávio Império, que fica no bairro Cangaíba, zona leste de São Paulo.

Com músicas de David Bowie e Lawand Othman, o Balé da Cidade leva um repertório que reúne as obras Trovador, do coreógrafo brasileiro Alessandro Pereira, que integra a companhia Europeia Danish Dance Theatrer e Deranged do coreógrafo austríaco Chris Haring. Nos dias 19 e 20 de outubro, sobe ao palco do Teatro Flávio Império e a entrada é gratuita. Nos dias 2 e 3 de novembro, é a vez do Teatro Cacilda Becker, que fica na Lapa, zona oeste, e encerra a turnê pelo Municipal no Rolê nos dias 23 e 24 de novembro, no Centro Cultural São Paulo. Ambas apresentações com ingressos a R$10.

No domingo, 20 de outubro, a Orquestra Sinfônica Municipal interpreta peças de Glinka, Mozart e Tchaikovsky no Auditório Ibirapuera. Com regência de Roberto Minczuk e Davi Campolongo no piano, o concerto ocorre às 16h e a entrada é gratuita.O grupo também se apresenta no dia 25 de outubro, no Teatro João Caetano, com ingressos a R$10. Desta vez, com a harpista Jennifer Campbell como solista e interpretando obras de Brahms, Haendel e Wagner.

A abertura do projeto aconteceu no dia 4 de outubro, no Teatro Flávio Império, com a Orquestra Sinfônica Municipal. O concerto apresentou composições de Mozart, Carlos Gomes e Bizet, com regência de Alessandro Sangiorgi. No mesmo final de semana, nos dias 5 e 6, o Balé da Cidade fez sua estreia no programa, no Teatro João Caetano.

SERVIÇO:
Municipal no Rolê
19/10 Sábado | 20h
20/10 Domingo | 19h
Balé da Cidade de São Paulo

Deranged
Coreografia: Chris Haring
Música: David Bowie
Sound Design e Composição: Andreas Berger
Desenho de Luz: Melissa Guimarães
Assistente de Iluminação: Rodrigo Campos
Figurino: Balletto por Luciana Mantegazza

Trovador
Coreografia: Alessandro Souza Pereira
Música: Lawand Othman (Apes part 2)
Figurino: Alessandro Sousa Pereira, Signe Blicher
Desenho de Luz: Alessandro Souza Pereira, Melissa Guimarães
Confecção de figurino: Balletto por Luciana Mantegazza

Local: Teatro Flávio Império
Endereço: R. Prof. Alves Pedroso, 600 – Cangaíba, Zona Leste
Telefone: (11) 2621-2719
Duração aproximada: 60 minutos
Classificação Indicativa: 16 anos
Ingressos: Entrada franca

20/10 Domingo | 16h
Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo
Roberto Minczuk, regente
Davi Campolongo, piano

Mikhail Glinka: Abertura de Russlam e Ludmila
Wolfgang A. Mozart: Concerto para piano, Op.27
Piotr I. Tchaikovsky: Sinfonia nº.5

Local: Auditório Ibirapuera
Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, Parque Ibirapuera (portão 3) – Ibirapuera, Zona Sul
Telefone: (11) 3629-1075
Classificação Indicativa: Livre
Ingressos: Entrada franca

25/10 Sexta | 21h
Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo
Roberto Minczuk, regente
Jennifer Campbell, harpa

Richard Wagner: Abertura da ópera Os Mestres Cantores de Nuremberg
Georg F. Haendel: Concerto para Harpa op. 4 nº 6 em Si bemol maior
Johannes Brahms: Sinfonia nº 1 op. 68 em Dó menor

Local: Teatro João Caetano
Endereço: Rua Borges Lagoa, 650 – Vila Clementino, Zona Sul (Próximo à estação Santa Cruz do
metrô)
Telefone: (11) 5573-3774 | 5549-1744
Duração aproximada: 80 minutos
Classificação Indicativa: Livre
Ingressos: R$10

02/11 Sábado | 21h
03/11 Domingo | 19h
Balé da Cidade de São Paulo

Deranged
Coreografia: Chris Haring
Música: David Bowie
Sound Design e Composição: Andreas Berger
Desenho de Luz: Melissa Guimarães
Assistente de Iluminação: Rodrigo Campos
Figurino: Balletto por Luciana Mantegazza

Trovador
Coreografia: Alessandro Souza Pereira
Música: Lawand Othman (Apes part 2)
Figurino: Alessandro Sousa Pereira, Signe Blicher
Desenho de Luz: Alessandro Souza Pereira, Melissa Guimarães
Confecção de figurino: Balletto por Luciana Mantegazza

Local: Teatro Cacilda Becker
Endereço: Rua Tito, 295 – Lapa, Zona Oeste
Telefone: (11) 3864-4513
Duração aproximada: 60 minutos
Classificação Indicativa: 16 anos
Ingressos: R$10

23/11 Sábado | 20h
24/11 Domingo | 18h
Balé da Cidade de São Paulo

Deranged
Coreografia: Chris Haring
Música: David Bowie
Sound Design e Composição: Andreas Berger
Desenho de Luz: Melissa Guimarães
Assistente de Iluminação: Rodrigo Campos
Figurino: Balletto por Luciana Mantegazza

Trovador
Coreografia: Alessandro Souza Pereira
Música: Lawand Othman (Apes part 2)
Figurino: Alessandro Sousa Pereira, Signe Blicher
Desenho de Luz: Alessandro Souza Pereira, Melissa Guimarães
Confecção de figurino: Balletto por Luciana Mantegazza

Local: Centro Cultural São Paulo
Endereço: Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso, Zona Sul
Telefone:(11) 3397-4002
Duração aproximada: 60 minutos
Classificação Indicativa: 16 anos
Ingressos: R$10

Programação sujeita a alteração.

Entre os dias 16 e 20 de outubro, MAR recebe a 8ª edição da FLUP

De Instituto Odeon em 16 de outubro de 2019


Entre os dias 16 e 20 de outubro, o Museu de Arte do Rio recebe a 8ª edição da FLUP – Festa Literária das Periferias, que irá celebrar o poder da poesia falada e o feminismo negro, dois movimentos que redesenharam a produção cultural do país neste século.

Nesta edição, o grande homenageado será o poeta pernambucano Solano Trindade, cuja poesia e biografia foram uma afirmação permanente da inventividade da arte popular e de suas artesanias.

A vasta programação destes cincos dias inclui oficinas, mesas de debate, apresentações musicais, batalhas poéticas, lançamento de documentário e entrega de prêmio. A noite de abertura do evento contará com show acústico de Lenine e uma apresentação comandada pelos herdeiros de Solano Trindade a partir dos poemas do artista.

Destaque da programação, a sexta edição do Rio Poetry Slam, maior batalha poética do mundo, terá como novidade este ano o fato de que seus 16 participantes serão mulheres negras.

Outro destaque é a mesa “A Carolina que habita em nós”, com as escritoras Conceição Evaristo e Ana Maria Gonçalves, uma das principais desta edição. A mesa, mediada por Mirian Santos, terminará com a entrega do prêmio Carolina Maria de Jesus às três escritoras.

Convidado do MAR, o Muquifu – Museus dos Quilombos e Favelas Urbanos também irá participar do evento, com ações em diversos espaços do museu. Entre os destaques estão o lançamento do catálogo “Habemus Muquifu” e o carrinho Muquifoca, dispositivo de mediação com o público que funciona como um museu ambulante em que histórias, memórias, livros e objetos de seu acervo são levados para outros lugares e públicos.

Nestes cinco dias, a entrada nas exposições do museu será gratuita para todos, das 10h às 17h.

Confira a programação completa aqui!

Afastando a captura política do Theatro Municipal

De Instituto Odeon em 10 de outubro de 2019


Em um artigo na sessão ‘Opinião’ da Folha de S.Paulo, publicado no dia 9 de outubro, o advogado Rubens Naves e a jurista Mariana Gouveia Chiesa Nascimento desmontam os mitos criados acerca da gestão do Instituto Odeon à frente do Theatro Municipal de São Paulo. Uma leitura esclarecedora e necessária.

Leia o texto na íntegra neste link.

Fotografia: Fabiana Stig

Museu de Arte do Rio lança e-book da “VI Jornada de Educação e Relações Étnico-Raciais”

De Instituto Odeon em 7 de outubro de 2019


A publicação digital da “VI Jornada de Educação e Relações Étnico-Raciais do MAR” já está disponível para download gratuito no site do Museu de Arte do Rio. Realizado anualmente, o encontro tem como objetivo ser um espaço de compartilhamento entre profissionais e estudantes comprometidos com a constituição de uma sociedade antirracista e democrática. A atividade integra o programa permanente de formação de professores da Escola do Olhar.

O e-book contempla as aulas ministradas no seminário de 2018, documentos e outros conteúdos produzidos durante os laboratórios de criação – atividades pautadas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, com base nas Leis nº 10.639/03-MEC (2003) e 11.645/08-MEC (2008).

Artigos escritos por convidados, como o curador Milton Guran, Mãe Celina de Xangô, os artistas e educadores André Vargas e Silvana Marcelina e a artista visual Mariana Maia também fazem parte da publicação. Os temas abordam questões trazidas pelas exposições do MAR e outras atividades que apostam na relação entre arte contemporânea e educação, como “Práticas pedagógicas: tradição e contemporaneidade”, “Cultura e representatividade” e “Museu, escola e relações étnico-raciais”.

Clique aqui: http://bit.ly/EbookJornadas2018 para baixar o e-book gratuitamente.

Theatro Municipal de São Paulo apresenta programação especial e gratuita em outubro dedicada às crianças

De Instituto Odeon em 30 de setembro de 2019


Durante a experiência do Zoo Musical as crianças poderão conhecer a sonoridade de cada instrumento de uma orquestra. Foto Fabiana Stig

De 8 a 13 de outubro, o projeto Crianças no Municipal apresenta atividades variadas para o público infantil e suas famílias; evento oferece tour musical pelo Theatro, teatro infantil, concerto e dança; todas as atividades são voltadas para crianças

O Theatro Municipal de São Paulo apresenta de 8 a 13 de outubro o projeto Crianças no Municipal, um festival de atividades que compõem uma programação GRATUITA especial para a meninada e seus familiares. O evento vai oferecer desde concertos didáticos de música sinfônica, apresentações de balé, pocket ópera e espetáculo de teatro, e ainda um tour de vivência musical pelos diversos espaços do prédio histórico.

Na estreia do evento, no dia 8, terça-feira, às 19ha Orquestra Mundana Refugi, a Palhaça Rubra (Lu Lopes) e o coletivo Morabeza Nação, que apresentará uma síntese da peça As Aventuras do Boi Beleza, se revezam em apresentações no espetáculo Curumins do Mundo.

A Orquestra Mundana Refugi tem 21 músicos e possui em sua formação imigrantes, brasileiros e refugiados de diversas partes do mundo. Como cantores estão integrantes da Palestina, Congo, Guiné, Irã e Brasil. Os instrumentos vão desde os mais recorrentes em orquestra, como violino, até o kanun – feito de cordas e originário do oriente médio – além da citara chinesa que consiste também numa série de cordas esticadas dentro ou sobre uma caixa de ressonância. O grupo que tem apenas dois anos já se apresentou no Auditório Ibirapuera, Sesc Guarulhos, Sala São Paulo, Sesc Pinheiros, Espaço da Américas, Festival Internacional de Curitiba.

Curumins do Mundo terá como mestre de cerimônias a Palhaça Rubra (Lu Lopes) que fará as mediações entre a apresentação da orquestra e a peça. Em alguns momentos, ela executará algumas canções junto com a Refugi, como por exemplo durante A Nossa Casa, do Arnaldo Antunes. A artista, que já esteve no Theatro Municipal em uma programação que celebrou o Dia do Palhaço, compôs até a canção inédita Caravana Curumim para este programa.

Já o Morabela Nação é um coletivo que conta histórias de Paulo Rafael, escritor da obra “O Mundo Cá tem Fronteira – Uma Aventura Brasil-Cabo Verde” que é a referência da peça As Aventuras do Boi Beleza. No enredoum boi do nordeste brasileiro que sobrevoa as Ilhas de Cabo Verde e acaba descobrindo que as belezas desse país do continente africano são também muito semelhantes às belezas brasileiras. Duas crianças, Grapiúna e Graciliano, são as passageiras especialíssimas desta viagem, com quem o boi partilha suas alegrias, impressões, cantos e amores.

Zoo MusicalApós o Curumins do Mundo, a programação segue com o Zoo Musical. A ideia é proporcionar às crianças uma experiência musical na qual os pequenos, guiados por educadores, percorrem algumas “estações” distribuídas pelo Theatro, como o Saguão de entrada principal e o Salão Nobre, onde encontrarão alunos da Escola Municipal de Música, da Fundação Theatro Municipal, e instrumentos de orquestra. Será uma oportunidade única para as crianças apreciarem a sonoridade de cada instrumento, e entender como são divididos no palco os chamados naipes de cordas (violino, viola, violoncelo e contrabaixo acústico), madeiras (flauta, oboé, clarinete, saxofone e fagote), metais (trompa, trompete, trombone e tuba) e a percussão. Sob monitoria, elas poderão conhecer um pouco mais sobre esse universo da música sinfônica. Toda essa experiência será oferecida para alunos da rede pública, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, e para o público em geral. Na quinta-feira (10), às 15h, e sexta (11), às 9h30 e 15h, as sessões são exclusivas para as escolas. No sábado (12), às 16h30, é gratuito e aberto ao público, no entanto é preciso reservar os ingressos pelo site do Theatro Municipal (www.theatromunicipal.org.br).

Outra atividade didática é o espetáculo O que é? O que é? O que é? com roteiro e direção cênica assinados por Angelo Brandini. A produção conta com a Orquestra Experimental de Repertório (OER), o Opera Studio e a Escola de Dança de São Paulo que pertencem a Fundação Theatro Municipal de São Paulo.  A iniciativa é lúdica e educativa onde os grupos artísticos vão contextualizar cada uma dessas linguagens: o que é orquestra, o que é dança e o que é ópera.  A intermediação de cada uma das artes será feita por duas palhaças mulheres: Paola Mussati (Palhaça Manela), integrante do grupo Doutores da Alegria e mais de 25 anos de trajetória tearal, e Vera Abud (Palhaça Emily), também integrante do Doutores da Alegria e que também atua na Cia. As Graças.

Iniciando a apresentação a Orquestra Experimental de Repertório, sob a regência do maestro Jamil Maluf, juntamente com alunos da Escola de Dança executarão a Valsa das Flores, trecho memorável de um dos grandes balés de repertório, O Quebra-Nozes, de Piotr Ilitch Tchaikovski. O compositor russo se consolidou com um grande compositor de obras para balé clássico, tendo composto também O Lago dos Cisnes A Bela Adormecida. Ainda no programa, os bailarinos executam uma coreografia para As Quatro Estações, de Antonio Vivaldi, e um pout-porri de dança brasileira.

Em seguida, cantores do Opera Studio, sob a regência do maestro Gabriel Rhein-Schirato, e a OER executam trechos de uma das óperas mais famosas a nível mundial, O Barbeiro de Sevilha, de Gioachino Rossini. “É uma obra cômica e muito rica musicalmente. Uma ópera de boa comunicação. Tem alguns trechos como Fígaro… Fííígaro que as pessoas já viram em desenho animado. É leve e combina com o público infantil”, explica o maestro Schirato.

Ainda durante a apresentação, o público terá acesso a informações sobre o que caracteriza cada tipo de voz: tenor, soprano, baixo, mezzosoprano. Os cantores do Opera Studio serão: Juliane Lins (soprano), Ludmila Thomson (soprano),  Roseane Soares (soprano),  Catarina Taira (mezzosoprano), Athos Bueno (barítono), Daniel Souza (tenor), Gabriel Henrich  (tenor),  Guilherme Hoff (tenor), Marcus Ouros (barítono), Ramon Nascimento (tenor) e Vitor Mascarenhas (barítono).

Por último, a Orquestra Experimental de Repertório, sob a regência do maestro Jamil Maluf, irá executar uma peça de estilo clássico a Sinfonia n°40, de Wolfgang Amadeus Mozart, e uma suíte de Guerra nas Estrelas, de John Williams. “A primeira aparece em propaganda de televisão, é de fácil compreensão, e a segunda é uma peça de estilo contrastante que mostra para a criança que a orquestra também está em outros universos, neste caso o cinema, e ela com certeza já ouviu. Este espetáculo é diverso e mostra o universo da música sob diversos aspectos, não fica preso a um determinado compositor ou estilo”, completa o maestro Maluf.  As apresentações ocorrem na quinta (10), às 16h, na sexta (11), às 11h e às 15h, exclusivamente para alunos da rede municipal de ensino, e no sábado (12), às 18h, para o público em geral. A duração é de aproximadamente 1 hora.

Reizinho Mandão

Ainda na programação, o teatro fica a cargo do espetáculo infantil O Reizinho MandãoA peça é protagonizada por três atores com Síndrome de Down e é inspirada no livro homônimo de Ruth Rocha. A montagem traz a história de um menino mimado e mal-educado que passa a comandar o reino após a morte de seu pai. De tanto mandar as pessoas se calarem, todos esqueceram como se fala. Triste e culpado por ter criado um lugar em que ninguém pode conversar, procura conselhos com um sábio e descobre uma solução simples e divertida para resolver a questão.  A produção O Reizinho Mandão sobe ao palco no sábado (12) ao meio-dia. 

Um dia depois, domingo (13), ao meio-dia, encerrando a programação do  Crianças no Municipal, o Theatro Municipal apresenta o Festival de Coros Infantojuvenis  com a presença do Coral Juvenil do Guri, sob a regência de Eduardo Fernandes, e o Coral Canto do Aprender sob a regência da maestrina Suellen Lima. No repertório peças de música popular brasileira como Embolado do Tempo, de Alceu Valença, Tempos Modernos, de Lulu Santos, A Felicidade bate à sua porta, de Gonzaguinha, As Mariposas, de Adoniran Barbosa, Corcovado, de Tom Jobim, Trenzinho Caipira, de Heitor Villa Lobos.  O programa terá a participação do Coral Paulistano, um dos corpos artístico do Theatro Municipal de São Paulo. O programa terá também a participação do coletivo Sampalhaças, formado por mulheres palhaças de diferentes escolas e gerações focadas na comicidade feminina. As artistas atuarão como “mestres de cerimônia” fazendo as mediações entre as apresentações e divertindo o público.

Crianças no Municipal
8 a 13 de outubro (terça a domingo)

Programação Terça-feira, 08, às 19h
Curumins do Mundo
Orquestra Mundana Refugi
Peça As Aventuras do Boi Beleza do coletivo Morabeza Nação
Palhaça Rubra (Lu Lopes)
Entrada franca
Distribuição dos ingressos duas horas antes de cada espetáculo na bilheteria do Theatro
Sala de Espetáculos, Theatro Municipal
Indicação etária: livre
Duração: 70 minutos

Orquestra Mundana Refugi
Carlinhos Antunes – cordas e direção musical – Brasil
Abou Cissé – percussão – Guiné-Conacri
Beto Angerosa – percussão – Brasil
ChadasAstustas – flautas e kemanche-  Turquia
Claudio Kairouz – kanun árabe – Brasil
Daniel Muller – acordeon – Brasil
Danilo Penteado – piano – Brasil
Hidras Tuala – voz – Congo
Leonardo Matumona – voz – Congo
Luis Cabrera – saxofone – Cuba
Mah Mooni – voz – Irã
Maiara Moraes – flauta – Brasil
Mariama Camara – voz e percussão – Guiné-Conacri
Mathilde Fillat – violino – França
Nelson Lin – cítara de martelo – Brasil/China
Oula Al-Saghir – voz – Palestina/Síria
Paula Mirhan – voz – Brasil
Tiago Daiello – cello e baixo elétrico – Brasil
Yousef Saif – bouzouki – Palestina
Pedro Ito – bateria – Brasil
Raouf Jemni – kanun turco – Tunísia
Rui Barossi – contrabaixo – Brasil

Peça As Aventuras do Boi Beleza
Concepção e Direção:
 Renato Gama
Atores: Almir Rosa (Boi Beleza); Luzia Rosa (Ciza); Ana Souza (Graciliano Gozado); Alexandre Apolinário (Grapiúna).

Músicos
Contrabaixo e Arranjos: Ronaldo Gama
Celo: Thayná Oliveira
Voz e Flauta: Mariana Per
Voz e Violão: Tita Reis
Guitarra: Tito Cardozo
Percussão: Sisa Medeiros

Cenografia e Figurino: Patricia Freire
Produção: Sá Menina Produtora e Movimento Cultural Penha

Sábado, 12, às 16h30

Zoo Musical
Atividades lúdico-educativas nas dependências do Theatro Municipal
Participação especial de alunos da Escola Municipal de Música

Entrada franca.
Reserva dos ingressos deve ser feita pelo site do Theatro Municipal (www.theatromunicipal.org.br).

Salão Nobre e Saguão
Indicação etária: livre
Duração aproximada: 50 minutos

*As sessões do dia 10/10 às 15h, 11/10 às 9h30 e 15h são exclusivas para alunos da rede pública de ensino.

Sábado,12, às 18h

O que é? O que é? O que é?
Orquestra Experimental de Repertório
Opera Studio da Escola Municipal de Música de São Paulo
Escola Municipal de Dança
Jamil Maluf – Regente da Orquestra Experimental de Repertório
Gabriel RheinSchirato – Regente do Opera Studio
Luiz Fernando Bongiovanni – Diretor da Escola de Dança de São Paulo
AngeloBrandini – Roteirista e Diretor Cênico
Bel Gomes – Assistente de Diretor Cênico
Christiane Galvan – Figurinista
Paola Mussati e Vera Abud – Palhaças

Solistas Opera Studio:
Juliane Lins – soprano
Ludmila Thomson – soprano
Roseane Soares – soprano
Catarina Taira – meio soprano
Athos Bueno – barítono
Daniel Souza – tenor
Gabriel Henrich – tenor
Guilherme Hoff – tenor
Marcus Ouros – barítono
Ramon Nascimento – tenor
Vitor Mascarenhas – barítono

OER + Escola de Dança
Tchaikovsky: Valsa das flores
Vivaldi: As Quatro Estações: Verão, Allegro non molto
Violino solo: Gabriel Mira
PoutPourri de danças brasileiras

OER + Opera Studio
Rossini: Barbeiro de Sevilha: excertos

OER
Mozart: Sinfonia no.40: 1º movimento, Molto Allegro
John Williams: Suíte Guerra nas Estrelas: Título Principal e Marcha Imperial

Sala de Espetáculos, Theatro Municipal de São Paulo
Duração aproximada: 1 hora
Indicação etária: livre
Entrada franca
Distribuição dos ingressos duas horas antes de cada espetáculo na bilheteria do Theatro
(Quinta-feira (10), às 16h, sexta-feira (11), às 11h e às 15h, exclusivo para alunos da rede municipal de ensino)

Sábado,12, às 12h

Espetáculo
O Reizinho Mandão
Ruth Rocha – Escritora
Jô Santana – Idealização
Roberto Lage – Direção
Ricardo Gamba – Dramaturgia e Direção Residente
Elenco – Ariel Goldenberg, Rita Pokk, Joana Mocarzel, Jô Santana, Ricardo Gamba, Leila Bass, Luiza Novaes, Tiago Leal e Rodrigo Fernando
Juliana Garavatti – Diretora Assistente e coreografia
Gabriel Levy – Direção Musical
Luiza Novaes e Aloísio Oliveira – Letra e Música
Aloísio Oliveira – Músico
André Pereira – Percussão

Sala de Espetáculos, Theatro Municipal de São Paulo
Duração aproximada: 50 minutos
Entrada franca
Distribuição dos ingressos duas horas antes de cada espetáculo na bilheteria do Theatro

Indicação etária: livre

Domingo, 13, às 12h,

Festival de Coros Infantojuvenis
*Participação do Coral Paulistano, um dos corpos artísticos do Theatro Municipal de São Paulo

Coral Juvenil do Guri Guri Santa Marcelina
Eduardo Fernandes – regência
Reynaldo Puebla – direção cênica
Douglas Pereira Afonso –  percussão
LukmanKamauLioncio Muniz –  percussão
Alceu Valença: Embolada do tempo (arr. André Protásio)
Lulu Santos: Tempos modernos (arr. original de André Protásio Adapt. Edu Fernandes)
Paulinho Moska: Último dia (arr. Patrícia Costa)
Renato Russo/: Tempo perdido (arr. André Protásio)
Lenine / Dudu Falcão: Paciência (arr. Patrício Souza)
Gonzaguinha: A felicidade bate à sua porta (arr. André Protásio)

Coral Canto do Aprender
Suellen Lima – regente/pianista:
Herbert Marques, Karina Muniz, Victor Cáceres, Yasmin Lima – Flautistas
Bruno Straccilini – Pandeiro
Antônio Carlos Nicoleti – Cuíca
Adoniran Barbosa: As Mariposas (arr. Suellen Lima)
Tom Jobim: Corcovado (arr. Suellen Lima)
Heitor Villa Lobos: Trenzinho Caipira (arr. Amauri Vieira)
Renato Russo: Mais Uma Vez (arr.Suellen Lima)
César Elbert: Agnus Dei (arr. César Elbert)

Duração total aproximada: 80 minutos
Indicação etária: livre
Entrada franca
Distribuição dos ingressos duas horas antes de cada espetáculo na bilheteria do Theatro

Local: Theatro Municipal de São Paulo
Endereço: Praça Ramos de Azevedo, s/nº
Acessibilidade: Sim

“Rosana Paulino: a costura da memória” se despede do MAR no dia 29 de setembro

De Instituto Odeon em 18 de setembro de 2019


A mostra individual da artista paulistana conta com 140 obras produzidas ao longo dos seus 25 anos de carreira.

A exposição “Rosana Paulino: a costura da memória” chega em sua reta final este mês, com encerramento marcado para o dia 29 de setembro. A mostra individual da artista paulistana conta com 140 obras produzidas ao longo dos seus 25 anos de carreira. Entre os trabalhos estão esculturas, instalações, gravuras, desenhos e outros suportes que evidenciam a busca da artista no enfrentamento com questões sociais, destacando o lugar da mulher negra na sociedade brasileira.

As peças selecionadas, realizados entre 1993 e 2018, mostram que sua produção tem abordado situações decorrentes do racismo e dos estigmas deixados pela escravidão que circundam a condição da mulher negra, bem como os diversos tipos de violência sofridos por esta população.

Encerramento:  29 de setembro de 2019.

Horário de funcionamento: terça-feira, das 10h às 19h (entrada gratuita); quarta-feira a domingo, das 10h às 17h (R$20 inteira e R$10 meia).

Saiba mais!

Jovens músicos da Orquestra Experimental de Repertório irão solar no palco do Theatro Municipal de São Paulo após vencer concurso

De Instituto Odeon em 17 de setembro de 2019


Musicistas da Orquestra Experimental de Repertório. Foto: Larissa Paz
Concerto acontece no dia 22, às 12h, sob a regência do maestro Jamil Maluf

A Orquestra Experimental de Repertório (OER), sob a regência do maestro Jamil Maluf, realiza no próximo dia 22, às 12h, um concerto para celebrar o Concurso Jovens Solistas. Esta apresentação é uma grande oportunidade para os jovens músicos da OER solarem no palco do Theatro Municipal de São Paulo.

O Concurso existe desde a fundação da orquestra, em 1990, e acontece 1 vez por ano. Os jovens músicos da OER escolhem uma composição para a seleção do concurso. As apresentações são feitas para uma banca formada pelos 16 monitores de naipes e o maestro Jamil Maluf. Ao fim, os vencedores são escolhidos, podendo ser dois ou até mesmo três. “Vários vencedores deste concurso ganharam bolsas de estudo no exterior porque eles gravam este concerto e colocam na solicitação da bolsa. Ajuda na carreira deles”, pontua o maestro.

Este ano os vencedores foram os musicistas Hanan Santos, de 28 anos, que no III Festival Internacional SESC de Música em Pelotas foi convidado para solar junto ao chinês Yang Liu e a orquestra, sob a regência de Emmanuele Baldini, e irá solar com a peça Concerto para Violino em Ré Maior, op.77, de Johannes Brahms. Além dele, Renato Ferreira, de 24 anos, que venceu este mesmo concurso em 2017, já solou à frente da Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí e também foi um dos vencedores do Concurso Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica Municipal Jovem de Guarulhos em 2015, executará Concerto Nº 1 para Violoncelo em lá menor, op.33, de Camille Saint- Saëns.

Concerto gratuito 
É gratuito! Um dia antes, na Sala do Conservatório, na Praça das Artes, às 17h, a Orquestra Experimental de Repertório, sob a regência de Alexandre Travassos, realiza um concerto de Harpas e Sopros. A apresentação abre com a peça Concerto em Si bemol para harpa, de Georg Friedrich Händel, onde a musicista Suelem Sampaio será a solista, fanfarra e Suite Praetorius, do próprio Alexandre F. Travassos, Petite Symphonie, de Charles Gounod, Pavane Opus 50, de Gabriel Fauré, e Canzon per sonar septimi toni a 8, de Giovanni Gabrieli. “Eu acho muito importante que uma orquestra tenha uma atividade de música de câmara também. Na apresentação camerística pelo fato de ser um grupo menor, os músicos se destacam mais solisticamente”, completa. Para este concerto, não tem distribuição de ingressos, basta o público chegar próximo ao horário do concerto.

ORQUESTRA EXPERIMENTAL DE REPERTÓRIO
A Orquestra Experimental de Repertório (OER) foi criada em 1990, a partir de um projeto do maestro Jamil Maluf, e oficializada pela Lei 11.227, de 1992. A OER tem por objetivos a formação de profissionais de orquestra da mais alta qualidade, a difusão de um repertório abrangente e diversificado, que mostre o extenso alcance da arte sinfônica, bem como a formação de plateias. Entre os vários reconhecimentos que recebeu estão os prêmios Carlos Gomes, como destaque de música erudita de 2012, e APCA, de Melhor Produção de Ópera de 2017. A orquestra tem, atualmente, o maestro Jamil Maluf como regente titular.

Serviço:

CONCURSO JOVENS SOLISTAS 
22 DOMINGO 12H
ORQUESTRA EXPERIMENTAL DE REPERTÓRIO
Regência Jamil Maluf

Programa:
CAMILLE SAINT-SAËNS
Concerto Nº 1 para Violoncelo em Lá menor, Op.33

Violoncelo Solo Renato Ferreira

JOHANNES BRAHMS
Concerto para Violino em Ré Maior, Op.77

Violino Solo Hanan Santos

Duração aproximada: 70 minutos
Vendas pelo site theatromunicipal.org.br ou pela bilheteria.
Horário da Bilheteria do Theatro Municipal: De segunda a sexta-feira, das 10h às 19h, e sábados e domingos, das 10h às 17h.
Local: Sala de Espetáculos | Theatro Municipal de São Paulo
Endereço: Praça Ramos de Azevedo, s/nº
Capacidade: 1523 lugares

HARPA, SOPROS E PERCUSSÃO DA OER
21 SÁBADO 17H
Gratuito
ORQUESTRA EXPERIMENTAL DE REPERTÓRIO
Regência: Alexandre Travassos
Harpa: Suelem Sampaio

Programa:
GEORG FRIEDRICH HAENDEL
Concerto em Si bemol para Harpa

ALEXANDRE F TRAVASSOS
Fanfarra

Suite Praetorius

CHARLES GOUNOD
Petite Symphonie

GABRIEL FAURÉ
Pavane Op. 50

GIOVANNI GABRIELI
Canzon per Sonar Septimi Toni a 8, Ch. 172

Duração aproximada 50 minutos
Local: Sala do Conservatório | Praça das Artes
Endereço: Av. São João, 281
Capacidade: 200 lugares

Mais informações:

Jamil Maluf
Regente titular da OER
Jamil Maluf graduou-se em regência orquestral pela Escola Superior de Música, em Detmoldi, na Alemanha. Durante sua permanência na Europa, atuou como regente convidado de diversas orquestras e participou dos Seminários Internacionais para Regentes, em Trier, com o Maestro Sergiu Celibidache. Foi diretor artístico e regente titular da Orquestra Sinfônica Jovem Municipal e, em 1990, criou a Orquestra Experimental de Repertório, a qual conduz com grande sucesso. Por cinco vezes foi distinguido com o prêmio de Melhor Regente de Orquestra pela APCA. Recebeu, também, o Prêmio Carlos Gomes de Melhor Regente de Ópera e o Prêmio Maestro Eleazar de Carvalho de Personalidade Musical do Ano, concedido pelo Governo do Estado de São Paulo, entre outros prêmios. De 1987 a 1992, apresentou o programa de música clássica Primeiro Movimento na TV Cultura. De 2005 a 2009, foi diretor artístico do Theatro Municipal de São Paulo. Em 2015, assumiu também o posto de regente titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica de Piracicaba.

HANAN SANTOS 
Violino solo
Iniciou os estudos de violino aos 14 anos, no Rio de Janeiro, com Mariana Isdebski Salles. Em 2010, no Rio Grande do Sul, cursou bacharelado em música na UFPel, na classe do Prof. Tiago Sabino Ribas. Recebeu orientações dos professores Fredi Guerling e Marcello Guerchfeld. No III Festival Internacional SESC de Música em Pelotas foi convidado para solar junto ao chinês Yang Liu e a orquestra, sob a regência de Emmanuele Baldini. Em São Paulo, foi academista na Academia da Osesp e, mais tarde, teve orientações regulares com Pablo de León. Participou de diversos masterclasses com renomados artistas nacionais e internacionais como Jennifer Stumm (EUA), Levon Ambartsumian (RUS), Yang Liu (CHI), entre outros. Em 2018, participou do Ilumina Festival, festival de música de câmara idealizado e dirigido pela violinista norte-americana Jennifer Stumm. Atualmente orientado pelos professores Claudio Micheletti e Jennifer Stumm. Assim como Maria Júlia, é membro do Pianosofia.

RENATO FERREIRA
Violoncelo Solo
Renato Cardoso Ferreira, natural de Sorocaba, São Paulo, iniciou seus estudos na classe do professor Tiago Almeida no Conservatório de Tatuí, onde foi convidado para solar frente a Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí. Foi integrante da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí e , posteriormente, ingressou no ensino superior sob orientação dos professores André Micheletti e Alberto Kanji. Em 2015, foi vencedor do Concurso para Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica Municipal Jovem de Guarulhos. Em 2017, foi um dos vencedores do Concurso Jovens Solistas da OER (Orquestra Experimental de Repertório). Atualmente é bacharel com habilitação em violoncelo e membro da Orquestra Experimental de Repertório, sob a regência do maestro Jamil Maluf.


ALEXANDRE F. TRAVASSOS
Compositor e Regente
Alexandre Fracalanza Travassos nasceu em 1970 no Rio de Janeiro; é clarinetista e compositor residente em São Paulo desde 1980. Estudou clarinete na Escola Municipal de Música de São Paulo e posteriormente na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Já trabalhou como instrumentista e arranjador da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo e atualmente é monitor instrumentista da Orquestra Experimental de Repertório e das orquestras de formação da Escola Municipal de Música de São Paulo. Como compositor, já recebeu diversos prêmios com suas composições no Brasil e no exterior como o 1° Concurso de Composição para banda sinfônica da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, o Penfield Commission Project (EUA, 2001), o 3º Prêmio Guerra-Peixe de composição para orquestra (2001), o Outdoor Composition Contest (EUA, 2010), o Otto-Ditscher-Preis (Alemanha, 2011) e o Prêmio Funarte de Composição Clássica de 2011 e 2017. Suas músicas já foram executadas em diversos países.

SUELEM SAMPAIO
Harpa
Natural de São Paulo, a harpista Suelem Sampaio começou a estudar harpa sinfônica aos 10 anos de idade na Escola Municipal de Música de São Paulo, participou de diversos festivais no Brasil e no exterior e foi aluna da Academia de Música da Osesp. É constantemente requisitada para trabalhar como convidada em diversas orquestras bem como atuar como solista e atualmente integra a Orquestra Experimental de Repertório. É professora do Curso de Extensão em Harpa na Universidade do Estado de São Paulo, do Festival Música nas Montanhas, da Buenos Aires Harp Week 2019 e do Curso de Graduação em Harpa Sinfônica da Universidade Mozarteum.

MAR participa da ArtRio entre os dias 19 e 21 de setembro

De Instituto Odeon em


Reconhecida como um dos principais eventos de arte da América Latina, a ArtRio é uma oportunidade de ver em um mesmo espaço obras de grandes mestres e também o trabalho de novos artistas, em uma seleção especial das principais galerias do país e do mundo. 

Em 2019, a ArtRio continua com sua programação inovadora. O PANORAMA reúne as galerias já estabelecidas no circuito internacional de arte; no VISTA, galerias jovens apresentam projetos concebidos especialmente para a feira, com uma curadoria experimental; já o SOLO trará projetos expositivos especiais com um recorte das coleções de Sandra Hegedus.

A feira ainda promove a sétima edição do Prêmio FOCO ArtRio, que tem como objetivo descobrir, fomentar e difundir a produção de artistas visuais com até 15 anos de carreira.

No estande, estarão à venda diversas publicações, como os catálogos das exposições “O Rio do samba: resistência e reinvenção”, “Pororoca”, “Do Valongo à Favela” e “Arte Democracia Utopia – quem não luta tá morto”. Visite!

ArtRio – 19 a 22 de setembro
Estande I3 – Esplanada
Marina da Glória

Mais informações em https://artrio.com/

Museu de Arte do Rio lança novo site

De Instituto Odeon em 12 de setembro de 2019


Entre as novidades da plataforma está a inclusão de aplicativo que traduz todo o conteúdo para a Língua Brasileira de Sinais – Libras 

O Museu de Arte do Rio lançou seu novo site no último dia 9 de setembro. Desenvolvido pela agência carioca Tuut, com apoio financeiro do BNDES, o moderno ambiente virtual tem como objetivo promover a inclusão e oferecer uma melhor navegabilidade em dispositivos móveis.

Atualmente, os acessos por meio de celulares e tablets representam 67% das visitas mensais ao site do MAR. Pensando neste público, a plataforma oferece logo na página inicial as informações mais importantes sobre o funcionamento do museu, de maneira rápida e clara, além de todo o conteúdo do site ser adaptável para os mais diversos tipos de tela.

Visando ampliar a experiência de usuários com baixa visão ou deficiência auditiva, novas ferramentas de acessibilidade foram desenvolvidas. Para tornar o site acessível às pessoas com baixa visão, foi criada a opção de aumento da fonte, além da mudança da cor do fundo, alterando o contraste com o texto.

Para aqueles que possuem deficiência auditiva, todos os textos e imagens descritivas estão traduzidos para a Língua Brasileira de Sinais – Libras, por meio do aplicativo Hand Talk. O plugin conta com um intérprete virtual que traduz o conteúdo automaticamente, abrindo a comunicação com os cerca de 9,7 milhões de deficientes auditivos que vivem no Brasil.

Entre as novidades do novo layout está um espaço para notícias, onde serão publicadas atualizações sobre as exposições, eventos, cursos e atividades educativas do museu. Outra inovação é a instalação de uma câmera nos pilotis do museu, que transmite imagens ao vivo diretamente para o site 24h por dia.

Confira! https://museudeartedorio.org.br